Papinha feita em casa

Olá, hoje vou falar um pouco sobre um grande passo na vida do bebê, a chegada de uma hora às vezes temida pelas mães e estranhada pelos pequenos: a hora da “papinha”. O que farei para meu filho? Posso dar de tudo? Não consigo cozinhar todos os dias, e agora? Calma, muita calma, vocês sabiam que podemos congelar as papinhas dos pequenos?

Sem ter tempo todos os dias para cozinhar devido ao trabalho fora de casa, caí neste dilema de o que dar para minha filha comer. E estou prestes a entrar nele mais uma vez – agora com um pouco menos de preocupação, pois já tive uma experiência, aprendi com ela e vou compartilhar com vocês. Então vamos lá. A primeira coisa que precisamos pensar para não desistir desta tarefa é que preparar a papinha dos pequenos em casa traz inúmeras vantagens:

- Você sabe exatamente aquilo que seu bebê está comendo, e tem a certeza que optou por alimentos frescos e saudáveis – sem química, sem flavorizantes, corantes e outros “antes”.

- Você pode temperar as papinhas e comidinhas de acordo com as preferências do seu filho, diminuindo assim as chances dele dar trabalho para comer.

- Você economiza, e muito, pois comprar a matéria-prima para preparar tudo em casa é de longe mais econômico, o que permite investir em alimentos de maior qualidade.

- E o mais importante: preparar a papinha do seu filho pessoalmente, com todo carinho, e ver o pequeno se deliciar é algo que não tem preço!

Mas e o tempo? Bom, para não nos tornarmos reféns da cozinha, podemos escolher um dia da semana para preparar – eu particularmente prefiro o sábado ou domingo.

Antes de preparar a papinha é importante que todos os utensílios sejam separados e esterilizados em água fervente, como os potinhos de vidro, plásticos (específicos para papinhas, sem bisfenol) ou forminhas de silicone.

O próximo passo é cortar os alimentos que irá utilizar e cozinhá-los. Assim que eles estiverem prontos (individualmente ou já amassados e misturados) teremos que fazer o processo de branqueamento, que nada mais é do que uma redução brusca da temperatura para conservar os nutrientes de cada alimento.

Coloque a papinha em um dos potinhos previamente esterilizados e tampe-o. Esse potinho deve ser colocado em um recipiente maior com água e gelo, sempre tomando cuidado para que a água do recipiente maior não entre no potinho e a nossa papinha fique “alagada”. Você precisa dar o choque térmico para que o alimento, ainda quente, pare de ser cozido e, assim, conserve as suas propriedades.

Depois de fazer este processo, é melhor que os alimentos sejam guardados com a data e os ingredientes que contém, para ficar mais fácil na hora de escolher a papinha do dia do pequeno. Para descongelar, tire logo cedo do freezer e passe a papinha para a geladeira. Na hora de servir, o melhor é que o potinho seja aquecido em banho-maria. Pronto! Chegou a hora de ver as nossas “delícias” provarem os novos sabores fazendo caras e bocas para mostrar o que mais ou menos agradou ao paladar…

Ah, outra dica. Não precisamos acrescentar sal ou açúcar nas papinhas, pois os bebês estão desenvolvendo o paladar e devem descobrir sozinhos estas sensações…

Espero ter ajudado e facilitado o dia a dia de vocês, até a próxima!

 

Fotos: [1] Emre Nacigil; [2] reprodução

 


COMPARTILHE!




LEIA TAMBÉM: