Pilates para mães

10 motivos para as mães fazerem pilates

1. Mais qualidade, menos quantidade = menos tempo de dedicação
No pilates, o que importa é a intensidade e como é feito cada movimento do exercício, que costuma concentrar de 8 a 12 repetições. Logo, as mães – com aquela agenda na qual é sempre difícil ter um tempo para elas mesmas – garantem um bom exercício em menos tempo, não precisando ficar horas na academia.

2. Consciência corporal: a mente acompanha o corpo
Sincronizar a respiração com as idas e vindas de cada movimento pode não ser uma tarefa tão fácil, ao mesmo tempo em que a mente foca em cada músculo trabalhado, aumentando a nossa consciência corporal. Consequentemente, a coordenação motora é a responsável por ativar esses três pilares: mente, corpo e respiração. O treinamento da habilidade motora ajuda na rotina de fazer  mil coisas ao mesmo tempo, própria das mães.

3. Equilíbrio muscular
Embora a prática não esteja preocupada no resultado estético, naturalmente promove o equilíbrio muscular. A cada aula é exercitado o corpo como um todo, despertando regiões que mal percebemos no dia-a-dia. Quando a nossa estrutura está em harmonia e alinhada, favorece a correção postural, graças à nova consciência física.

4. Flexibilidade e Força
Já sabemos que no pilates o que vale é a qualidade de cada movimento. O que muitos podem não saber é que o segredo está na “fase negativa”, que é a volta controlada do exercício e que luta contra a gravidade. Este esforço em slow motion aprimora a força muscular e sustenta a posição por mais tempo, possibilitando outras partes do corpo irem além no alongamento. Agachar toda hora para pegar os brinquedos espalhados pela casa, carregar a bolsa e o bebê ao mesmo tempo e ainda levar o carrinho para cima e para baixo podem ser tarefas menos pesadas quando o corpo está mais preparado.

5. Prevenção
O condicionamento alcançado com a disciplina evita possíveis patologias comuns como lombalgia, hérnia de disco, escoliose, entre outras. A maioria delas acontece pelo excesso de atividades que exigem o esforço físico que pode ser conduzido pela má postura diária.

6. Abdômen: centro de força Power House
No solo ou nos aparelhos, tudo é mantido pelo abdômen, conhecido como Power House. Este centro de força ativa o músculo transverso, contraído para manter estabilidade no movimento.  O resultado é diminuir a circunferência abdominal em centímetros, assim como um espartilho. Por isso, o pilates pode ser um bom exercício para voltar à forma física e ganhar um abdômen sarado depois de ter um filho.

7. Menor risco de lesão
Sabe aquela história de que mãe não fica doente? Pois então, ela tem que se precaver contra lesões. Os aparelhos e acessórios do pilates aliados à uma boa orientação fazem o papel de tutorial protetor. Eles existem exatamente para auxiliar a prática correta e sabermos nosso limite, evitando assim, riscos de lesão.

8. Resultado rápido
Como diz a famosa frase de Joseph Pilates: Com 10 sessões, você perceberá a diferença, com 20 sessões, os outros irão perceber a diferença e, com 30 sessões, você terá um novo corpo. Para quem trabalha e ainda tem filhos, tempo vale mais que dinheiro. Em pouco tempo, o resultado começa a ser visível – e a autoestima agradece.

9. Não exige habilidade para exercer a modalidade
Aqui você não precisa ter aptidão para a atividade, do sedentário ao atleta a instrução e equipamento te conduzem a exercer a modalidade. Uma vantagem para elas, que muitas vezes não se veem em nenhuma outra prática.

10. Qualidade de vida
A essência do método é proporcionar bem estar aos praticantes. Despertar o corpo e a mente, ativar a nossa fonte de energia como suplemento para disposição em qualquer atividade diária, esportiva ou funcional. Ter um momento para você mesma não deveria ser um martírio. Uma vez que o pilates é inserido na rotina na mesma importância que trocar fraldas, por exemplo, você percebe que ter qualidade de vida não é dispensável.

 

Dica bônus: Pilates para grávidas

As mulheres grávidas também podem praticar pilates para ter uma gestação mais saudável e livre de dores nas costas. E ainda: adquirir maior tranquilidade no parto através do controle da respiração e o fortalecimento do assoalho pélvico. Para as grávidas, devemos tomar cuidado para não gerar um esforço muito grande. Então, são introduzidos exercícios de baixa/média intensidade para aumentar a capacidade funcional. A maior parte dos exercícios são adaptados de acordo com o período de gestação. Temos que oferecer mobilidade articular e o fortalecimento do assoalho pélvico incentivando o parto normal mais tranquilo. Também organizamos a cintura escapular com o correto posicionamento e fortalecimento dos ombros para atividades próprias do pós-parto.

pilates_mulheres_gravidas

Rodrigo-Cavalcanti-perfil


COMPARTILHE!




LEIA TAMBÉM: